Violino

Mais informações

Descrição

Violino do modelo Jacobus Stainer. O tampo é feito de abeto, madeira que também é denominada de pinho europeu. O fundo e o estandarte são de átiro. A voluta tem forma de cabeça de leão. Possui quatro cordas com afinação sol2-re3-lá3-mi4. Para tocar o instrumentista apoia a extremidade inferior do instrumento no lado esquerdo do pescoço, tange as cordas com o arco que é guiado pela mão direita, ao mesmo tempo em que os dedos da mão esquerda pressionam as cordas para obtenção das notas. O exemplar do museu não possui arco.

Para saber mais

O violino é o membro soprano da família dos cordofones de arco que inclui a viola e o violoncelo. O instrumento possui grande capacidade de som sustentado e grande gama de expressão e intensidade. Geralmente a sonoridade do violino é obtida por meio do deslizamento suave do arco sobre as cordas; as vibrações são transmitidas através do cavalete para o tampo harmônico e em seguida através da alma para o fundo. O violino de quatro cordas que já era conhecido em 1550 foi precedido por um de três cordas. Este último era uma mistura do rebec, da rabeca renascentista e da lira de braccio (forma desenvolvida de rabeca). No século XVI despontou a escola italiana de fabricantes de violinos (Andrea Amati em Cremona, Gasparo de Saló em Brescia), que realizou adaptações e aprimoramentos no instrumento. Estas modificações foram importantes para que a estrutura do violino pudesse permitir que os instrumentistas executassem as composições dos compositores do século XVII, mais exigentes particularmente em óperas, sonatas e concertos. No século XIX orquestras e salas de concerto exigem mais do potencial sonoro do instrumento e os luthiers do período aprimoraram ainda mais as técnicas de fabricação do instrumento. Em 1800 as forma e técnica do violino já estava padronizada, apesar da queixeira ter sido inventada e acrescentada por volta de 1820 por Spohr, mas esta foi considerada uma modificação de menor importância. Na contemporaneidade o violino sofre ainda algumas adaptações: reforço interno, cavalete mais elevado, braço em ângulo mais agudo em relação ao corpo (para permitir maior tensão nas cordas), espelho mais longo (para alcançar notas mais agudas). O repertório atual do violino é extenso: sonatas, música de câmara, concertos, peças ligeiras, peças que buscam exibir um alto nível técnico, entre outros. Além disso, assim como outros cordofones de arco, o violino pode atualmente ser amplificado eletronicamente e, neste caso, possui estrutura vazada com diferentes formatos.

Dados gerais [classificação e nomes adicionais]

321.322 Alaúdes em forma de caixa achatada com braço e cravelhame

Dados do exemplar [este item em específico]

mvim_dc_co_0012

XIX d.C.

,

C=61cm L=20,5cm A=9cm

Inscrição: selo no interior da caixa de ressonância “Jacobus Stainer i[?] Abfam proper [?] [?]tum 165[?]”. Inscrição: selo no interior da caixa de ressonância “ADOLF PAULUS LUDW BAUSCH & SOHN LEIPZIG Instrumente Bogen, Saiten Eh[?] etc. REPARATUREN”.

Não determinada

MIDC/EM/UFRJ 321.3 I6 Prat. 7

Bibliografia

ALMEIDA, 1994.
BASE MINERVA, 2014.
BETHENCOURT; BORDAS; CANO; CARVAJAL; SOUZA; DIAS; LUENGO; PALACIUS; PIQUER, ROCHA, RODRIGUEZ; RUBIALES; RUIZ, 2012.
BRAGA, 1973.
BRANDÃO, 2013.
MATTOS, 2012.
MIMO, 2014.
ROLLA, 1974.
SADIE, 1994.
SOARES, 1990.
YOUTUBE, 2014.

Notas

Entre 1650 a 1750 ocorreu o apogeu das técnicas de fabricação de violinos com o austríaco Jacobus Stainer (1617-1683), o cremonense Nicolo Amati e seus alunos Giuseppe Guarneri e Antonio Stradivari.