Viola d’amore

Mais informações

Descrição

O instrumento possui fundo dividido em duas partes e é feito de átiro. O tampo é de abeto e também possui duas partes. O estandarte é de ébano e os orifícios centrais têm forma de chamas, como de costume em violas d'amore, e o cavalete é feito de madeira. No cravelhal existem sete cravelhas nas laterais e sete cravelhas menores na parte de trás para as cordas simpáticas. O instrumento possui quatorze cordas, sete são tangidas pelo arco e afinadas em lá1-ré2-lá2-ré3-fa#3-lá3-ré4 - , e sete são simpáticas e afinadas nas mesmas notas. Para tocar, o instrumentista apoia o instrumento no lado esquerdo do pescoço, tange as cordas com o arco, que é guiado pela mão direita, ao mesmo tempo em que os dedos da mão esquerda pressionam as cordas para obtenção das notas. O exemplar do Museu não possui arco e cravelhas para as cordas simpáticas.

Para saber mais

A sonoridade da viola d'amore é suave e doce. Este tipo de viola foi muito apreciado durante o final do século XVI e o início do século XVII. O instrumento foi utilizado em composições de elevado teor emocional por compositores como Johann Sebastian Bach (1685-1750), que utilizou a viola d’amore principalmente em suas cantatas e na Paixão Segundo São João (1724); por Georg Philipp Telemann (1681-1767) que a utilizou na sua Paixão Der Sterbende Jesus (1716); e, mais recentemente, por Leos Janácek (1854-1928), que utilizou o instrumento na ópera Katya Kabanova (1921). A viola d'amore possui muitas características da viola moderna: fundo plano, ombros caídos e voluta entalhada. Mas, diferentemente da viola moderna que possui quatro cordas, a viola d'amore possui quatorze cordas no total. Deste total sete cordas são simpáticas, ou seja, cordas que vibram por ressonância, enquanto as melódicas (ou principais) são tangidas ou dedilhadas.

Dados gerais [classificação e nomes adicionais]

321.322 Alaúdes em forma de caixa achatada com braço e cravelhame

Dados do exemplar [este item em específico]

mvim_dc_co_0019

séc. XVIII d.c.

, ,

C=71cm L=25cm A=13cm

Inscrição de origem: escrito diretamente na madeira, na parte superior das costas do instrumento "N. CHAPPUY"

Não determinada

MIDC /EM/UFRJ 321.3 I11 Prat. 9

Bibliografia

ALMEIDA, 1994.
BASE MINERVA, 2014.
BETHENCOURT; BORDAS; CANO; CARVAJAL; SOUZA; DIAS; LUENGO; PALACIUS; PIQUER, ROCHA, RODRIGUEZ; RUBIALES; RUIZ, 2012.
BRANDÃO, 2013.
DOURADO, 2004.
MATTOS, 2012.
MIMO, 2014.
ROLLA, 1974.
SADIE, 1994.
SOARES, 1990.
YOUTUBE, 2014.