Promenade violon

Mais informações

Descrição

O instrumento foi feito no corpo de uma bengala sendo uma espécie de violino-bengala. A parte da frente (estandarte, espelho, cravelhas, cavalete e tampo harmônico) ficam abaixo da metade superior da bengala, que se constitui de um pedaço de madeira removível. A extremidade superior da bengala também é removível e contém um anel de metal que se encaixa em outra parte de metal que se encontra na caixa de ressonância propriamente dita. As cravelhas foram substituídas por pinos que neste tipo de instrumento são ajustados com uma chave. O arco é guardado dentro da bengala oca, ou seja, dentro da caixa de ressonância do instrumento.

Para saber mais

O promenade violin é o resultado da fusão entre um violino e uma bengala. O termo em francês “promenade” quer dizer passeio e indica que o instrumento foi construído com o objetivo de ser um violino portátil, de fácil transporte, assim como uma bengala. Durante o século XIX eram comuns na Europa os utensílios resultantes da fusão de outros objetos - tais como uma arma, um guarda-sol – com uma bengala. Essa moda também atingiu a construção de instrumentos musicais e vários, especialmente violinos, flautas e clarinetes, foram construídos nesse formato. Apesar da construção de “instrumentos-bengalas” ocorrer desde a Renascença, foi mesmo durante o Romantismo que a prática atingiu seu auge. Na Europa desse período havia um grande interesse por novidades, além de riqueza e tempo livre para a construção e utilização de bens de luxo. Como a sonoridade desses instrumentos era bastante limitada, na maioria das vezes o uso era feito por amadores que se interessavam por música ao ar livre. Promenade violins como o exemplar do Museu continuaram a ser produzidos na Alemanha até a virada do século XX.

Dados gerais [classificação e nomes adicionais]

321.322 Alaúdes em forma de caixa achatada com braço e cravelhame

Dados do exemplar [este item em específico]

mvim_dc_co_0020

sec. XIX d.C.

,

C=90cm L=19cm A=5cm

Inscrição posterior: etiqueta com identificação do catálogo de 1905 na parte superior da bengala "N. 69 – PROMENADE-VIOLON", e selo não identificado

Doação de João dos Santos Couceiro

MIDC/EM/UFRJ 321.3 I8 Prat. 8

Bibliografia

ALMEIDA, 1994.
BASE MINERVA, 2014.
BETHENCOURT; BORDAS; CANO; CARVAJAL; SOUZA; DIAS; LUENGO; PALACIUS; PIQUER, ROCHA, RODRIGUEZ; RUBIALES; RUIZ, 2012.
BRAGA, 1973.
BRANDÃO, 2013.
CARVALHO, 1905.
GROVE MUSIC ONLINE, 2014.
MATTOS, 2012.
MIMO, 2014.
ROLLA, 1974.
SOARES, 1990.