Kamanche

Mais informações

Descrição

Instrumento de cordas tocado com arco. A caixa de ressonância é feita de noz de coco com uma série de orifícios. O tampo harmônico é formado por uma membrana e o braço do instrumento é torneado. Sobre a membrana há um cavalete que sustenta duas cordas. O arco do instrumento mede cerca de noventa centímetros de comprimento. O instrumento apresenta uma espécie de espigão de ferro que atravessa a noz e encontra-se com o braço. O kamanche possui duas cordas afinadas em lá2 e mi2. Durante a performance, o intérprete apóia o instrumento verticalmente no joelho e vira o instrumento para que este encontre o arco ao invés de guiar o arco pelas cordas, como é feito nas técnicas de arco do Ocidente. O exemplar do museu possui atualmente apenas a caixa de ressonância.

Para saber mais

O termo kamãncheh foi documentado já no século X, sendo aplicado a vários instrumentos encontrados principalmente no Irã, no Cáucaso e na Turquia - instrumentos parecidos também são encontrados em países árabes e nos Bálcãs. O kamanche é utilizado tanto como solista como também para executar acompanhamentos; os kamanches atuais possuem braço longo, caixa de ressonância de madeira e quatro cordas metálicas. Os instrumentos mais antigos possuíam cordas feitas de seda, ou até mesmo de crina de cavalo, como é o caso do exemplar do Museu.

Dados gerais [classificação e nomes adicionais]

321.311 Alaúdes de braço espetado em forma de tina

Kemangeh agouz (Fonte: BASE MINERVA, 2014), kemângeh a'gouz (Fonte: MIGUEZ, 1890-1895), kemângeh a'guz, kemângeh (Fonte: MIMO, 2014)

Dados do exemplar [este item em específico]

mvim_dc_co_0010

Não determinada

A=10cm D=10cm

Inscrição posterior: provável selo de identificação do inventário de 1905 "50". O selo está rasgado.

Doação de João Baptista da Motta e Rodolfo Bernadelli

MIDC/EM/UFRJ 321.3 I23 Prat.16

Bibliografia

ALMEIDA, 1994.
BASE MINERVA, 2014.
BETHENCOURT; BORDAS; CANO; CARVAJAL; SOUZA; DIAS; LUENGO; PALACIUS; PIQUER, ROCHA, RODRIGUEZ; RUBIALES; RUIZ, 2012.
BRANDÃO, 2013.
BRAGA, 1973.
CARVALHO, 1905.
MIGUEZ, 1890-1895.
MIMO, 2014.
ROLLA, 1974.
SADIE, 2001.
SOARES, 1990.
YOUTUBE, 2014.