Flauta doce baixo

Mais informações

Descrição

Flauta com tubo cilíndrico, feita de madeira e muito leve. Possui três seções articuláveis: cabeça, corpo e pé. Possui sete orifícios e uma chave de metal para o dedo mínimo da mão direita. Possui um tudel de metal em forma de S que se encaixa na extremidade superior do instrumento denominada de coroa. Logo abaixo da coroa existe um revestimento de metal ao redor do tubo. O bloco não é original e não está em perfeito estado. A nota mais grave do instrumento é o Fá2 e a mais aguda o Sol4.

Para saber mais

A flauta doce provavelmente surgiu na Itália durante o século XIV. Posteriormente no período renascentista a flauta doce foi muito utilizada em músicas para consort, ou seja, pequenos grupos instrumentais de câmara. O período Barroco foi o auge do instrumento que passou a ser utilizado também como solista. Após este apogeu, a flauta doce foi gradativamente sendo substituída e perdendo popularidade para a flauta transversa. No inicio do século XX a flauta doce se popularizou novamente principalmente depois que Arnold Dolmetsch (1858-1940) criou um novo desenho para o instrumento na década de 1920. Dolmetsch alterou o tudo da flauta doce, redesenhou os orifícios dos dedos, redimensionou tamanhos e posições para a afinação moderna. Outro motivo para o novo período de apogeu do instrumento foi o aumento pelo interesse em apresentações de Música Antiga que utilizassem instrumentos de época. O exemplar do museu é uma flauta doce baixo que faz parte da família das flautas doces juntamente com a soprano (mais conhecida e utilizada, inclusive como instrumento útil para o aprendizado da linguagem musical), sopranino, alto e tenor.

Dados gerais [classificação e nomes adicionais]

421.221.12 Flautas com canal interno, abertas, com orifícios

Dados do exemplar [este item em específico]

mvim_dc_ae_0058

segunda metade do sec. XVIII d.C.

,

C=103cm L=7cm A= 6,8cm D=2,4cm

Inscrição posterior: duas etiquetas coladas com número e nome do catálogo de 1905 "N.81 – FLAUTA".

Doação de Leopoldo Miguez

MIDC/EM/UFRJ Aerofones 421.22 I1 Prat. 21

Bibliografia

BASE MINERVA, 2014.
BERKLEY, 2009.
BETHENCOURT; BORDAS; CANO; CARVAJAL; SOUZA; DIAS; LUENGO; PALACIUS; PIQUER, ROCHA, RODRIGUEZ; RUBIALES; RUIZ, 2012.
Consultoria de Franklin Correa da Silva Neto (2014)
BRANDÃO, 2013.
DOURADO, 2004.
SADIE, 1994.
MIMO, 2014.